Colecionador – Elias Mussi Falarz

Hoje o NaGaveta continua sua série de entrevistas com os colecionadores espalhados pelo Brasil e pelo Mundo. O Blog sai do interior de São Paulo em Araraquara e vai até a cidade de Curitiba. Entrevistamos o colecionador Elias Mussi Falarz, que tem seu foco da coleção na seleção japonesa, confira essa coleção e algumas de suas histórias.

NaGaveta.com: Como começou a colecionar? Alguém em especial te incentivou?
Elias: Bom, eu comecei há muito tempo atrás, quando tinha apenas 4 anos e por culpa dos meus pais. Quando fiz meu aniversário de um ano de idade meu pai me deu minha primeira camisa do Coritiba que é nosso time do coração. E quando fiquei maiorzinho (com 4 anos) comecei a me interessar pelo esporte e foi quando eles me introduziram ao vício (risos), pois me davam camisas dos times do brasileirão. Eu tinha muitos kits da nossa famigerada CCS, foi minha primeira marca esportiva que comecei a gostar.

O foco da coleção de Elias Mussi Falarz

Na Gaveta.com: Sua coleção tem algum foco específico?
Elias: Na verdade eu tenho três. Coritiba, Celtic e o que mais amo ,venero e curto colecionar: seleção japonesa. Esta coleção comecei de uma forma curiosa, desde pequeno eu amo futebol, séries e desenhos japoneses. Aí com o tempo o amor pelo Japão e futebol acabou se misturando e bem no fim virei torcedor do Japão e futebol japonês em geral (risos). A coisa começou a ficar séria pra valer na Copa de 2002 onde realmente me tornei fanático e de lá pra cá nunca mais deixei de acompanhar o país do Oriente. O vício me contaminou de vez. Inclusive dois dos maiores japoneses jogaram nos meus times do coração. Kazu no Coxa e Nakamura pelo Celtic (graças a ele comecei a torcer pelo time em 2005).

Algumas das camisas da Seleção Japonesa

NaGaveta.com: Qual camisa você destaca na sua coleção?
Elias: É difícil falar, mas a que mais destaco é a minha verde de goleiro da seleção japonesa de 1996-97. Demorei quinze anos para conseguir. Era para ter sido onze, mas em 2012 tive um problema e a camisa foi extraviada. Na época perdi muito dinheiro, mas sabemos que o mais importante é a camisa, dinheiro a gente recupera.

Eu fiquei muito triste e abalado, pois era um sonho que realizei, mas nunca tive em mãos. Mas aí ano passado consegui a camisa (não era de jogo como a que perdi, mas pelo menos consegui a camisa). Destaco também minhas camisas de goleiro da Copa de 2006 e Ásia de 2007 do meu adorado goleiro Kawaguchi. Já pelo Celtic tenho uma super raridade que é a camisa do Centenário do Clube que foi usada em jogo no ano de 1988.

Algumas das camisas destacadas por Elias

 

Brasil x Japão: Para quem torcer?

NaGaveta.com: Se jogar Japão x Brasil, pra quem você torce???
Elias: Com certeza pelo Japão! Embora eu seja brasileiro e me orgulhe do futebol daqui e por sermos penta, fico com meu lado adotivo japonês sempre. Brasil já tem cinco copas, né? Japão ainda precisa ganhar a primeira, aí tem todo meu apoio. Aliás, isto já ocorreu quatro vezes em minha vida nos torneios importantes.Em 2001 no 0x0 entra Japão x Brasil , 2005 nas Confederações quando acabou 2×2,

Naquele Show do Neymar quando o Japão foi massacrado por 3×0 em 2013 e também na Copa do Mundo de 2006 onde o Brasil acabou goleando o Japão por 4×1. Fato que até hoje fico triste e o resultado me assombra pelo resto da vida! Nunca fui tão zoado em toda minha existência, naquela época eu ainda frequentava o colégio e meus amigos e professores não me perdoaram (risos) .

Uma das Camisas do ídolo Kawaguchi

NaGaveta.com: Como você faz para acompanhar os jogos, já que o horário é péssimo?? Sua família e amigos, o que acham disso??
Elias: Esse negócio de horário é muito complicado, mas desde 2002 me viro caçando links na internet e fuçando em tudo. Acabou se tornando um hobby na verdade. Antigamente até meados de 2010 era um verdadeiro garimpo. Mas hoje em dia achamos até com facilidade, atualmente existem muitos sites bons e até em HD pra assistir.

Se eu falar tudo o que já fiz para ver jogo japonês fico mil anos falando aqui. A gambiarra era tanta que já vi partidas do Japão em árabe e vietnamita (risos).Minha família me apoia, inclusive fiz meus pais, meus melhores amigos e primos torcerem para o Japão também! Minha mãe é até corneteira e sempre assiste comigo os jogos do Japão nas Copas do Mundo. Quem me conhece sabe deste meu amor diferente e acaba me apoiando, embora no começo muitos achassem meio estranho.

A História Curiosa

NaGaveta.com: Conte-nos uma história curiosa de como conseguiu alguma de suas camisas???
Elias: A história mais curiosa que tenho não é com uma camisa em si. Mas sim com a bola oficial da Copa de 2002 (inclusive ela foi usada em jogo e tudo). Estava jantando em um posto de gasolina com minha família (isso em 2003) no interior do Paraná. Vi numa estante a bola da Copa e comentei para minha mãe que era oficial e tinha o selo da FIFA e tudo mais.

Eis que começo a abordar o irmão do dono do posto e enchi tanto o saco dele que o camarada acabou vendendo. O maior detalhe é que o irmão não faz ideia até hoje de quem comprou a bola (risos). Chegou no dia seguinte e cadê ela? Depois pesquisei e soube que ela era do lote oficial da Copa e que entrou em campo. Pois tinha detalhes que as de loja padrão não tinham. De resto eu já consegui camisas daquela maneira mais básica, abordando pessoas na rua, comprando de carroceiros e em brechós.

A Bola da Copa de 2002

Talvez você também se interesse por...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *