Copa América: 103 anos de história

Matéria originalmente escrita no Blog Futebol da América do Sul. Curta mais do blog clicando aqui. Curta também a página do blog no facebook.

No especial de hoje o blog traz para você um resumo histórico da Copa América além dos formatos e regulamentos ao longo dos 103 anos de competição:

O começo de tudo


Torneio de seleções mais antigo do mundo, a Copa América foi jogada pela primeira vez em 1916 com o nome de Campeonato Sul-Americano de Seleções, fazendo parte das comemorações do centenário da independência da Argentina. Além do país anfitrião, participaram dessa primeira edição Brasil, Uruguai e Chile. O título ficou com os uruguaios que também faturaram a edição posterior realizada em seu território no ano seguinte.

A criação da Confederação Sul-Americana de Futebol – Conmebol


Com o sucesso do torneio foi proposta a criação de uma confederação formada por Argentina, Brasil, Chile e Uruguai. Nascia aí a Confederação Sul-Americana de Futebol, ou simplesmente Conmebol. O Brasil faturaria em casa a primeira edição sob a organização da recém-criada confederação em 1919.

https://www.instagram.com/championsshirts.cs/

Década de 20: quase um campeonato por ano


Nos anos 20 tivemos nove edições, só não havendo torneio em 1928. Com exceção dos brasileiros em 1922 (novamente em casa) os outros oito títulos ficaram entre argentinos e uruguaios, com quatro conquistas para cada país. A Celeste Olímpica ficou com as edições de 1920, 1923, 1924 e 1926. Enquanto que a Argentina faturou em 1921, 1925, 1927 e 1929. A nível mundial as duas seleções decidiriam ainda os Jogos Olímpicos de 1928 e a primeira edição da Copa do Mundo dois anos depois em solo uruguaio.

A vez de Peru, Paraguai e Bolívia


Na década de 30 tivemos apenas três edições: as duas primeiras ficaram entre argentinos e uruguaios. Em 1939 surgiria o quarto país campeão: o Peru, que conquistaria o título jogando em casa. Depois de um inédito tricampeonato nos anos 40 conquistado pela Argentina o Brasil venceu seu terceiro Sul-Americano (o terceiro em casa). Na edição seguinte foi a vez do Paraguai em 1953. Seis edições mais tarde o título ficou com a Bolívia, campeã em casa. Com a conquista uruguaia em 1967 chegava ao fim o Campeonato Sul-Americano e nos anos 70 nascia a Copa América.

Supremacia da dupla Argentina-Uruguai


Das 29 edições do então Campeonato Sul-Americano em apenas seis o título não ficou com Argentina ou Uruguai. Três dessas conquistas ficaram com o Brasil, enquanto que Peru, Paraguai e Bolívia dividiram as outras três. O grande campeão dessa fase foi a Argentina (doze) com um título a mais que o Uruguai. Mas com a mudança de Sul-Americano para Copa América essa supremacia deixaria de ser tão grande…

A Copa América


Após oito anos sem disputa, o Sul-Americano retornou com o nome atual: Copa América. Nas três primeiras edições com a nova nomenclatura o torneio foi jogado sem sede fixa. Em sistema de ida e volta e com intervalo de quatro anos entre as edições.A partir de 1987 a Conmebol adotou um rodízio de países-sede onde Paraguai, Colômbia e Venezuela puderam organizar a competição pela primeira vez. Com o rodízio, um país só poderia voltar a sediar o torneio após todos os outros nove países sul-americanos tiverem sido anfitriões.

A era brasileira e os convidados


De 1993 em diante o torneio passou a ser disputado por doze seleções: as dez sul-americanas mais dois convidados, geralmente países da Concacaf e desde então a fórmula de disputa passou a ser de três grupos de quatro com os oito melhores seguindo para os mata-matas. Em nove edições sob esse sistema apenas o México dentre os convidados esteve em todas e chegando ao vice-campeonato em duas delas. Foi também a partir daí que o Brasil passou a ter certa hegemonia na competição: até 1989 eram apenas quatro títulos, e todos em casa. Esse número simplesmente dobrou após vencer pela primeira vez fora de seus domínios em 1997.

O bicampeonato chileno e a Copa América Centenário


Das seleções do continente que disputam a Copa América, apenas três seleções jamais haviam vencido a competição: Equador, Venezuela e Chile. Pois bem, esse último pôs fim ao jejum em 2015 quando organizou a competição. Com o título vindo nas penalidades contra a Argentina. Um ano depois Conmebol e Concacaf se uniram para criar a Copa América Centenário. Competição comemorativa dos cem anos do torneio disputado nos Estados Unidos, reunindo seleções das duas confederações. Com um número recorde de participações (dezesseis) a final foi uma reprise da edição passada. O Chile conquistando o bi novamente diante dos argentinos e da mesma forma, nas disputas de pênaltis após empate sem gols.

Os grandes tabus


Dentre os campeões o que está há mais tempo sem conquistar a Copa América é a Bolívia: desde 1963, exatos 56 anos. Logo a seguir vêm Peru (44 anos) e Paraguai (40). Os argentinos, que ficaram 34 anos sem vencer (de 1959 a 1993) já estão há 26 anos sem conquistas. Curiosamente, um dos maiores vencedores da competição faturou apenas duas edições nos últimos 60 anos e com isso acabou sendo ultrapassado pelos uruguaios em número de títulos (15 a 14).

Já os brasileiros tiveram que acabar com dois tabus: o primeiro de quarenta anos sem taças de 1949 a 1989 e o segundo de jamais ter vencido a competição fora de casa, já que as quatro primeiras conquistas foram todas como país-sede. O jejum chegou ao fim após vencer a Bolívia na casa deles na final de 1997. De lá para cá a seleção triunfou em gramados paraguaios, peruanos e venezuelanos.Maior vencedor da competição e campeão pela última vez em 2011, o Uruguai não ficou grandes períodos sem conquistas já que foi campeão em quase todas as décadas. O máximo que ficou foi dezesseis anos sem títulos (de 1967 a 1983 e de 1995 a 2011).

Campeões da Copa América


15 títulos Uruguai (1916, 1917, 1920, 1923, 1924, 1926, 1935, 1942, 1956, 1959-II, 1967, 1983, 1987, 1995 e 2011)
14 títulos Argentina (1921, 1925, 1927, 1929, 1937, 1941, 1945, 1946, 1947, 1955, 1957, 1959-I, 1991 e 1993)
8 títulos Brasil (1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004 e 2007)
2 títulos Peru (1939 e 1975)Paraguai (1953 e 1979)Chile (2015 e 2016)
1 título Bolívia (1963)Colômbia (2001)

Os vários formatos da Copa América


Confira abaixo todos os formatos e regulamentos da Copa América ao longo das edições:

Pontos corridos (todos contra todos)


Da primeira edição em 1916 até a 29ª em 1967 a Copa América, então chamado de Campeonato Sul-Americano de Seleções foi disputada no sistema de pontos corridos. Isto é, todos contra todos onde quem somava mais pontos era declarado campeão. Quando duas seleções terminavam empatadas em pontos um jogo-desempate era disputado para ver quem ficava com o título. O que pode ou não ser considerado como uma final. Isso ocorreu em cinco oportunidades: 1919, 1922, 1937, 1949 e 1953.

Ida e volta


Ao mudar o nome para Copa América em 1975 o torneio passou por algumas modificações: a primeira além do nome é que finalmente todas as dez seleções filiadas à Conmebol estiveram todas representadas. Em segundo, deixou de ser disputado no formato de liga e durante três edições não teve sede fixa. Sendo jogada no sistema de ida e volta. As nove seleções eram divididas em três grupos de três onde se enfrentavam tanto em casa como fora. Sendo que o primeiro de cada chave se juntava ao campeão da edição anterior nas semifinais – quase igual o regulamento da Libertadores na época – e depois os vencedores decidiam o título, tudo em ida e volta.A edição de 1987 também foi jogada nesse sistema de três grupos de três com o campeão entrando nas semifinais, mas ao contrário das outras edições essa teve sede fixa.

Fase de grupos com quadrangular final


Foi apenas por duas edições (1989 e 1991) onde as dez seleções eram divididas em dois grupos de cinco com as duas primeiras avançavam a fase final. No quadrangular final todos jogaram contra todos onde quem somasse mais pontos era o campeão. Brasil em 1989 e Argentina na edição seguinte foram os vitoriosos nesse sistema.

Fase de grupos com mata-mata


De 1993 para cá a Copa América passou a ser jogada no sistema atual de doze seleções: as dez sul-americanas e duas convidadas. Desde então passou a ter três grupos de quatro. Avançam para as quartas de final as duas primeiras de cada grupo mais dois melhores terceiros colocados. A partir daí o torneio passa a ser jogado em mata-mata até que se chegue o campeão. A única exceção foi na Copa América Centenário, que teve o recorde de dezesseis participantes divididos em quatro grupos. Os dois primeiros se classificando para as quartas de final, e a partir daí repetindo o regulamento das edições anteriores.

Emerson Morelli

Fanático por futebol desde garoto, o colecionismo se tornou uma extensão disso.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *