Eduarda Colecionadora

Nossa entrevistada de hoje é a Eduarda Gesser também conhecida nas redes sociais como Eduarda Colecionadora. Ela tem apenas 18 anos, mas já tem mais de 200 camisas em sua coleção além de outros objetos ligados ao mundo do futebol. Ela nos contou um pouco mais sobre essa sua paixão, além é lógico de muitas histórias.

Eduarda faz parte de um pequeno grupo de Mulheres no Colecionismo, o NaGaveta.com apóia sempre as mulheres, vê com tristeza algumas histórias relatadas pela Eduarda e deixa aqui o incentivo para que cada vez mais mulheres comecem a colecionar. Sempre bom lembrar que a Eduarda vai estar presente no 7º Encontro Estadual de Colecionadores de Camisas de Santa Catarina. 

O Começo da Coleção

NaGaveta.com: Como começou a colecionar? Alguém em especial te incentivou?

Eduarda: A minha historia com o futebol começou desde muito pequena onde eu acompanhava o time da família. O Grêmio Esportivo Familiar em jogos do futebol amador. A partir disso comecei a frequentar os jogos do JEC (Joinville Esporte Clube). Em 2008 ganhei minha primeira camisa do Jec. Já em 2011 depois de muito pedir aos jogadores ganhei a primeira camisa de jogo do meio campo Ricardinho. Daí em diante comecei a colecionar.

NaGaveta.com: Sua coleção tem algum foco específico?

Eduarda: A principio meu foco sempre foi o JEC campo. Mas a partir do momento que conheci o Jec Krona Futsal comecei a ampliar o foco.

NaGaveta.com: Qual camisa você destaca na sua coleção?

Eduarda:  É difícil dizer qual camisa destacar. Por trás de cada camisa temos uma historia diferente. Mas eu destacaria duas camisas que me marcaram muito: a primeira camisa da coleção do Ricardinho numero 8. E a segunda que eu destacaria foi a de 2012 de passeio ganhada do Carlos Alberto ex volante/lateral do JEC.

A Coleção de Eduarda em um dos Encontros de Colecionadores

A Importância da Família na Coleção

NaGaveta.com: Podemos perceber que a família está muito presente em sua coleção. O quanto é importante esse apoio para você ?

Eduarda: Minha família esteve sempre presente desde o incentivo ao esporte quanto a coleção. Eles tem sido meu principal suporte para que a coleção tenha chegado ao tamanho que esta hoje. Meus pais sempre que possível me levaram a vários locais para trocas de camisas e varias vezes me presentearam com camisas.

NaGaveta.com: Como você se sente sendo mulher em um meio em que a maioria é masculina ? Você incentiva suas amigas a colecionar ? Que mensagem pode deixar para outras mulheres que desejam começar sua coleção ?

Eduarda: É um sentimento de muito orgulho e as vezes tristeza. Sempre tem aquela pessoa que vem falar que estou fazendo errado que isso “é coisa para homem”. Tem aquelas pessoas que falam que por eu ser mulher me ofereço para ganhar camisa de jogadores. Sempre busquei incentivar todos ao meu redor acho o colecionismo uma forma de distração. Através dele fiz muitas amizades e construí muitas historias engraçadas. Uma mensagem que eu poderia deixar para todas as mulheres sejam elas colecionadoras ou amantes do esporte que nunca desistam do que gostam porque alguns julgam ou falam não ser pra você.

Eduarda e sua coleção

As Histórias Engraçadas 

NaGaveta.com: Por fim nos conte alguma história curiosa de como conseguiu alguma de suas camisas.

Eduarda: Tenho duas histórias inusitadas a primeira aconteceu final do ano passado no jogo da final do JEC Krona Futsal pela liga aonde eu estava no camarote e ao andar para buscar água encontrei com o Ramires ex jogador do Chelsea, aproveitei o momento para lançar um pedido de uma camisa de seu clube atual o Jiangsu Suning. O mesmo se interessou e falou que mandaria apesar disso não havia colocado muita fé pôs o mesmo estaria voltando para fora.

Após sair vi meu pai conversando com o sogro do Ramires, onde meu pai comentou sobre minha coleção e o mesmo também se interessou e foi conversar com Ramires sobre após uns 20 min meu pai apareceu falando que segunda feira era para gente ir até o restaurante do sogro do Ramires para buscar a camisa. E a maior alegria mesmo foi encontrar o Ramires depois de meses e ele se lembrar que eu era a colecionadora que ele havia ajudado.

A segunda história que me marcou aconteceu esse ano em uma exposição na rua do lazer. Onde uma das expositoras que trabalha com um projeto “mulheres empreendedoras” se interessou pela minha história e disse que apresentaria alguém que me ajudaria com relação a minha coleção. Depois de uma hora ela voltou até meu estande com o irmão que trabalha com mídia que é apaixonado por futebol também, após conversar com ele e contar minha história com o esporte e com a coleção o mesmo me passou seu contato e disse que tinha dois presentes para minha coleção, o mesmo me presenteou com uma camisa do Coritiba usada pelo Fabinho ex jogador e técnico do Joinville e um lindo colete do Cruzeiro usado pelo Roberto Gaúcho. Foi algo pra mim que marcou demais porque ao conversar com os dois eu vi a admiração deles pelo que eu estava fazendo.

A Coleção de Eduarda

 

Emerson Morelli

Fanático por futebol desde garoto, o colecionismo se tornou uma extensão disso.

Talvez você também se interesse por...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *