O Domínio do Futebol Espanhol – Porque Acontece?

Texto originalmente publicado pelo Blog A Economia do Golo. Conheça mais e Curta a página no Facebook clicando aqui.

Os  fatos não mentem….

Os clubes espanhóis, que este ano, voltaram a vencer as duas competições europeias existentes, através do Real Madrid na Champions League e o Atletico na Liga Europa, são, sem sombra de dúvida, os grandes dominadores do panorama futebolístico europeu. Aliás, sobrepõe-se a qualquer outra liga de forma inelutável.

Os Dados

Assim, as últimas cinco edições da Liga milionária foram vencidas por equipas do país vizinho. O Real Madrid conseguiu-o por 4 vezes e o Barcelona por uma. A esta realidade, junte-se o Atletico Madrid, que por duas vezes foi finalista vencido contra os vizinhos merengues. Para entendermos a preponderância do futebol castelhano na principal competição por clubes do velho continente.

Falemos, agora, da Liga Europa, que este ano foi ganha pelo Atlético Madrid, fazendo com que os dois troféus europeus ficassem na capital do país.
Contudo, não foi fato virgem nos últimos anos. Assim, desde 2009/10, altura em que a velhinha Taça UEFA foi redenominada de Liga Europa, só por três vezes o domínio castelhano foi derrotado. Uma vez pelo FC Porto, naquela final completamente lusitana contra o SC Braga. Nas outras duas vezes por clubes ingleses: o Chelsea quando bateu o Benfica e o Manchester United quando derrotou o Ajax.

Além deste fato, realce para outros dois fatos. Assim, em 2011/12 os clubes de La Liga conseguiram disputar uma final entre si, com Atletico Madrid e Athletic Bilba. a defrontarem. Além  do Sevilla  que conseguiu um feito inigualável na prova. Com efeito, a equipa de Nérvion logrou um inédito trio de vitórias na prova, o que, em muito, levou o seu treinador, Unay Emery a assinar pelo Paris Saint-Germain. Assim como Monchi, o director desportivo, a ser cobiçado por meia Europa, até comprometer-se com a Roma.

Nesta prova, realce para o fato de nas meias finais terem-se intrometido outros emblemas do vizinho Ibérico e que puderam lutar pela chegada à final. Foram eles o Villarreal por duas vezes. O Valência por igual número de ocasiões e o Celta de Vigo por uma.

As razões para este sucesso são várias.

Desde logo, o fato de se ter apostado na centralização dos direitos televisivos, após uma dura batalha para tal ser almejado. Contudo, os clubes menos titulados não deixaram de lutar por este desiderato. Assim conseguindo em 2015, que lhes permitiu alcançar outras metas e reforçar as suas equipas com jogadores de qualidade insuspeita.
A acrescer, as condições nos estádios e a quase obrigatoriedade de os mesmos apresentarem boas assistências, sob pena de multas. A polemica medida instituída por Tebas, um visionário que preside a Liga, de multar os clubes que não encham a parte visível nos estádios  em 75%. Isso obrigou os clubes a reformarem os estádios, dando condições aos adeptos e aumentando as receitas de bilheteria.

Além disso, falamos de uma Liga onde atuam os dois melhores jogadores da atualidade e, talvez, da história do futebol. Referimo-nos, obviamente, a Leo Messi e Cristiano Ronaldo (a ordem é arbitrária) e, quer se queira quer não, tal é um fator de atração de La Liga. Serve de incentivo para outros jogadores a quererem competir com e contra estes.

As Equipes B

Outro ponto relevante reside na aposta declarada nas equipas B. A Espanha foi o país que mais cedo apostou nas “filiais” e que por isso retire mais dividendo. Analisemos a seleção de “La Roja” e perscrutemos a quantidade de atletas que tiveram uma formação baseada no modelo das equipas secundárias. Além disso, esses atletas, rapidamente, passam para as equipas principais. Essa passagem, com uma capacidade refinada, leva ao desenvolvimento das equipes e a possibilidade de afetação de recursos financeiros a mais valias superlativas. Essas aumentam as equipes de qualidade e permitem um maior interesse na prova, inclusivamente no estrangeiro.

Por fim, a identificação regional permite que La Liga se desenvolva. O orgulho de ser catalão, galego, basco ou andaluzia faz com que os emblemas sintam orgulho nas vitórias. Em dar alegrias aos seus adeptos e aos habitantes das suas regiões. E quando se juntam tantos elementos, misturando-se trabalho com paixão e razão é bem mais fácil vencer!

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *