Por fora das 4 linhas – São Januário

Um estádio que leva o nome do próprio clube, algo raro e inusitado, mas existe e merece toda atenção dos amantes do futebol.

Hoje o Por Fora das 4 Linhas chega a cidade maravilhosa, mais precisamente ao bairro de São Cristóvão e para falar de um estádio especial, místico e que ontem completou 90 anos de história. Estádio Vasco da Gama, ou melhor, dizendo, São Januário, esse é o nosso personagem do Por Fora das 4 Linhas de hoje.

Iniciada a construção em Junho de 1926, o Estádio Vasco da Gama teve sua obra concluída em 1927 e sua inauguração ocorreu em 21 de abril do mesmo ano, completando no dia de ontem exatos 90 anos.

O nome do estádio surgiu devido ao seu proprietário, o Club de Regatas Vasco da Gama, mas o Estádio Vasco da Gama acabou ganhando um apelido que se eterniza até hoje entre seus torcedores, São Januário, pelo nome da rua ao redor do estádio. E passado 90 anos, segue sendo o maior estádio particular do estado do Rio de Janeiro e sem dúvida uma honra ao torcedor cruzmaltino, que também tem o local tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Seu jogo inaugural foi entre Vasco e Santos e o time paulista levou a melhor vencendo por 5 a 3, tendo seu jogador Evangelista a marcar o primeiro gol do estádio e o primeiro vascaíno a balançar a rede foi Galego. E esse estádio só foi erguido devido a paixão de seu torcedor, que mobilizou uma grande campanha de arrecadação que possibilitou a compra de pouco mais de 6 mil barris de cimento e 250 toneladas de ferro. Sem dúvida um feito que faz se orgulhar todo torcedor do clube carioca. A iluminação do estádio foi inaugurada em Março de 1928.

Grandes números marcam a vida de São Januário, como por exemplo, a maior goleada no local, ocorrida em Setembro de 1947, onde o Vasco venceu o Canto do Rio por 14 a 1. O maior artilheiro do estádio é Roberto Dinamite, que entre 1971 e 1992 balançou as redes por 184 vezes. Outro ídolo que marcou sua história por lá foi nada mais nada menos que o baixinho Romário, marcando 152 vezes, inclusive seu milésimo gol na carreira, que lhe rendeu em 2007 uma estátua no estádio.

Em questão de publico, São Januário também reserva números absurdos e hoje sua capacidade é de quase 24 mil pessoas, mas é registrado no estádio um publico de pouco mais de 40 mil pessoas num jogo entre Vasco e Londrina, onde a equipe paranaense levou a melhor e venceu por 2 a 0 em Fevereiro de 1978. Outro recorde não oficial conta que mais de 60 mil pessoas estiveram em São Januário num amistoso entre Vasco e Arsenal da Inglaterra onde a equipe da casa venceu por 1 a 0. Mas números grandiosos também trouxeram marcas e um fato negativo ocorreu em Dezembro de 2000 onde o Vasco recebeu o São Caetano pela final da Copa João Havelange, tendo um publico de aproximadamente 35 mil pessoas e infelizmente devido a uma confusão na arquibancada, uma parte do alambrado cedeu, deixando 160 pessoas feridas.

E quem deixou sua marca também por lá foi a seleção canarinho, que já disputou 23 jogos, tendo 19 vitórias, 1 empate e 3 derrotas.

São Januário certamente é um lugar muito especial, um caldeirão que ferve onde os adversários se sentem acuados e isso sem duvida um fator muito positivo para o Vasco da Gama em seus jogos. O estádio hoje tem uma capacidade bem inferior de anos passados, mas tudo isso se deve a segurança e de maneira alguma irá apagar o brilho do Gigante da Colina. E como citado logo acima, o estádio de São Januário só existe porque torcedores resolveram arregaçar as mangas e levantar sua própria casa e hoje o Por Fora das 4 Linhas inovou e resolveu ouvir um torcedor do Vasco da Gama, nada mais justo para comemorar essa data tão especial e de fato trazer a vocês o sentimento vindo de um vascaíno.

Resolvemos perguntar ao torcedor, qual o significado de São Januário na vida do vascaíno e quem colaborou com o nosso quadro de hoje foi o Arthur Santos, torcedor do clube e filho de São Januário. “Pra mim, São Januário significa a maior prova de amor que a torcida do Vasco poderia dar ao clube. Pela sua construção, pela sua identidade, pela história que o cerca. Sempre digo aos amigos torcedores de outros clubes que desconheço uma torcida que seja tão orgulhosa do estádio do seu clube como o torcedor Vascaíno. Ele representa demais o que é Vasco. O Vasco é do Povo… o Vasco é favela, o Vasco é humildade, não prepotência. O Vasco é de uma classe operária que ergueu São Januário em resposta a todos que viraram as costas para ele alegando que o Vasco não tinha estádio e não poderia disputar campeonatos com os demais clubes da época. Por amor, Vascaínos se reuniram e em 10 meses construíram o até então maior estádio da América Latina. Essa identidade permanece até hoje e acho que não deve ser mudada. Você olha a faixada de São Januário, anda em volta dele e percebe que ali está a união entre pobres e ricos, brancos e negros. O Vasco só existe por causa de sua torcida, São Januário a mesma coisa. Fomos nós que construímos isso e todos sabem disso através de São Januário. Mesmo que você não o conheça, você através desse estádio passa a conhecer pra que, porque, e como o torcedor do Vasco tem um brilho nos olhos ao falar de São Januário. É o melhor lugar do mundo!”.

Enfim, ai está a maior prova de que a união faz a força e parabéns ao Estádio Vasco da Gama, o imponente São Januário pelos seus 90 anos de história. Espero que tenham gostado da história de hoje e semana que vem tem mais.

São Januário

Talvez você também se interesse por...

1 Response

  1. 18/07/2017

    […] sido o comandante dos primeiros navios a navegar da Europa até a Índia. Nos campos a equipe de São Januário é uma das maiores do […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *