SARRI PASSA NO TESTE DA PRIMEIRA TEMPORADA

Texto originalmente publicado pelo Blog do Jorginho em 29/05/2019. Quer ler mais do blog? Clique no link.

Com a campanha dos cem pontos do Manchester City na temporada passada, junto com a falta de evolução do trabalho de Conte, a ideia do Chelsea parecia clara. Para recuperar o protagonismo na Inglaterra: combater o time de Guardiola com “outro Guardiola”. E o ótimo time do Napoli, que disputou ponto a ponto com a Juventus o título italiano em 2017/2018, revelou o melhor candidato possível ao posto: Maurizio Sarri. 

https://www.instagram.com/championsshirts.cs/

O jogo posicional e de imposição através do controle da bola, são conceitos do italiano que se assemelham bastante ao que Pep sempre propôs em suas equipes. As estrutura mecanizada dos azuis de Nápoles chamava atenção. Mas mostrava que não seria fácil de se instalar em um primeiro momento na nova equipe.


Porque assim como Guardiola, Sarri precisaria de tempo para poder fazer do Chelsea o time competitivo que se espera. A passagem de bastão dos anos de jogo reativo, que vinha de Ancellotti, passava por Di Mateo, sucedeu com Mourinho e se praticava também com Antônio Conte, não aconteceria de forma harmoniosa em questão de meses. Ainda que os primeiros onze jogos de invencibilidade na Premier League pudessem, junto com a qualidade indiscutível de boa parte do elenco, iludir a crítica. O real potencial da equipe ante a situação era “apenas” de brigar para ficar nas primeiras colocações. E isso foi alcançado. 

A Briga impossível pela Premier League

Brigar para ser campeão concorrendo com duas das três melhores campanhas da história do campeonato inglês, é utopia. O então atual detentor do caneco, Manchester City, era na prática, o que Sarri quer fazer do Chelsea com o passar das temporadas. Não havia como competir com uma versão mais madura e sofisticada da própria ideia. Talvez um pouco mais de regularidade no percurso, ajudasse a engrossar o argumento de quem pedia paciência. Mas na frieza do resultado, a campanha ficou dentro da normalidade.

Nas copas domésticas, outro desempenho dentro do normal. Uma eliminação para o United em jogo único na Copa da Inglaterra e uma medalha de prata na Carabao Cup contra o City, que acabou arrebatando todos os torneios ingleses de 2018/2019. Apesar de todas as oscilações, os momentos de bom desempenho configuraram resultados já esperados. Nada de tão decepcionante.

A Primeira Conquista

O título da Europa League no último dia 29 de maio, foi o tempero que faltava para dar gosto à primeira temporada de Sarri na Inglaterra. As insistentes escalações em jogadores multi criticados, substituições equivocadas, quedas bruscas de rendimento e resultados inexplicáveis como a goleada por 6×0 para o City de Guardiola.

Todos esses fatos mostraram uma imagem negativa do trabalho do italiano. Porém nada como um título para respaldar o trabalho realizado.

E ainda que hoje, depois de vencer o Arsenal em Baku por quatro a um. Com o favoritismo claro para o adversário, é notório que a desconfiança ainda paira o ambiente mental do italiano. O Chelsea não atravessou os meses de forma tão consistente. Mas a expectativa é de que a orquestra esteja mais afinada a partir do próximo verão. Poder exibir o primeiro troféu da carreira para resguardar a evolução do próprio trabalho é importante.

Sarri não será como Guardiola foi em sua segunda temporada na terra da rainha. Provavelmente não fará cem pontos na liga. Não vencerá mais do que um título. Não vai causar o mesmo furor que Pep em termos de futebol jogado por questões de punição contratual e reposições humanas no mercado. Mas a primeira foi tão boa quanto, pelo menos em termos de resultado. Nesse ponto, vale a pena dar crédito a Maurizio para trabalhar. E claro, nunca ignorando os contextos que estão por vir. 

Emerson Morelli

Fanático por futebol desde garoto, o colecionismo se tornou uma extensão disso.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *