A você, Magrão, muito obrigado!

Em uma era que o futebol está cada vez mais dominado por jogadores sem amor aos clubes, os verdadeiros ídolos são cada vez mais raros. Em Recife, o Sport desfruta desse privilégio de ter não apenas um goleiro, mas uma referência que vai além das 4 linhas. Magrão nesses 13 anos de Sport, escreveu uma das história mais lindas entre atleta e clube que ficará marcada para sempre.

Começo difícil.

Tudo começou em abril de 2005, quando Zé Teodoro foi no Rio Branco (Sp) e trouxe o desconhecido goleiro reserva, com 28 anos. Sem informações mais detalhadas, Magrão chegou ao Sport como um estranho. A desconfiança da torcida com ele era imensa, nos seus 3 primeiros anos de clube, demorou para se firmar como titular. Na série B do mesmo ano em que chegou, o camisa 1 do leão da praça da bandeira foi titular por 13 rodadas, mas uma lesão na cabeça tirou o goleiro por um bom tempo e o seu substituto, Maizena, assumiu a titularidade até o fim do ano. Em 2006, Magrão começou o ano como titular, mas após falhar em alguns jogos, perdeu a posição para o seu substituto Gustavo. Na série B do mesmo ano, conseguiu recuperar a titularidade e fez um bom campeonato, conquistando o acesso para a série A do ano seguinte. A partir daí, os anos seguintes reservariam anos de idolatria que vão durar a eternidade.

Firmação e início da idolatria

Magrão começou o ano de 2007 como titular. Foi importante na conquista do bicampeonato pernambucano e chegou com respaldo no brasileiro. Após ficar marcado como o goleiro que levou o milésimo gol de Romário, a desconfiança aos poucos foi voltando. O camisa 1 do leão da ilha do retiro chegou até perder espaço para o reserva Cléber. Rodadas depois voltou a titularidade e terminou o Brasileirão muito bem, conquistando a confiança da torcida. No ano seguinte, o Sport conseguiu seu 3º título nacional. A copa do Brasil de 2008 tá marcada eternamente no coração de todos. Magrão foi crucial para a conquista do título, fazendo milagres, liderando e sim, fez até gol na decisão por pênaltis contra o Vasco da Gama em São Januário, jogo que classificou o Sport para a final contra o Corinthians. Os anos seguintes se passaram e muita coisa foi acontecendo. Vitórias, derrotas, títulos, rebaixamentos, perda de finais. Mas em nenhum desses momentos, se viu Magrão ficar de cara feia porque o elenco era ruim, fazer algum tipo de panelinha para derrubar algum treinador ou dirigente, nada disso. O maior ídolo da história do Sport a cada ano que passava se tornava mais líder, mais torcedor, amava cada vez mais aquele clube e mesmo em situações gravíssimas, nunca se recusou a jogar. Diferente de alguns aí. Em 2014, por exemplo, sua mulher estava muito doente e mesmo assim, o goleiro rubro negro não se recusou em ajudar o clube em que ele tanto ama.

A você seu Magrão, meu muito obrigado. Palavras não seriam suficientes para descrever a tamanha importância do senhor no coração dos rubro negros. Como agradecer pelos 9 títulos, 700 jogos e incontáveis defesas? Por sempre se colocar à disposição do clube em qualquer momento? Sendo esse líder incansável que não tem limites quando o assunto é ajudar o Sport. O senhor é um exemplo para todos. Não só como profissional, mas humanamente. Provavelmente ao fim desse ano estará chegando o fim dessa relação tão intensa e que com certeza deixará saudades para sempre. Mas sabemos que o senhor vai estar por perto, nos ajudando como fez em todos esses anos. Os últimos anos para a gente não tá sendo nada fácil, te ver encerrar a carreira dessa forma não é justo. O senhor não merece ser penalizado pelo amadorismo dos dirigentes do Sport. Esperamos que a situação possa ser revertida e que no fim do ano, tenhamos alegria e possamos lhe homenagear do jeito mais bonito possível. Agradeço a Deus por ter me dado a graça de ter lhe acompanhado de perto e poder desfrutar do maior exemplo que já vi dentro do futebol. Como eu queria que esses 700 jogos pudessem se transformar em 700 anos. Vida longa a você, seu Magrão. Muito obrigado!

Talvez você também se interesse por...

1 Response

  1. Gleydson Alves diz:

    Mito demais esse cara! Ótima pessoa! E um ótimo profissional!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *